laylla

laylla
ao tempo o tempo

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

um AMOR

Sempre quis um amor
que vivesse a vida
sem reclamar dela ou disso
sem muito lero lero
sem muito sacrifico
sem artifício,sem ossos do oficio

Sempre quis um amor
de abafar,
(não o caso)
mas cuja demora de ocaso
estivesse inteiramente só
nas nossas mãos
sempre quis um amor
que me coubesse no passado presente e futuro
e me alternasse em criança e adulto
que hora eu fosse o fácil, o sério
e ora um doce mistério
que hora eu fosse medo-asneira
e ora eu fosse o medo- brincadeira
sempre quis um amor
que sem tensa corrida
ocorresse apenas isso

Sempre quis um amor
que acontecesse
sem esforço
sem medo da poesia
por ele acabar.
Sempre quis  um amor que
soubesse que sou Ouro e Mar
E que assim mesmo me amasse
Sempre quis um amor
que vivesse a felicidade
sem reclamar dela,com medo
Dela acabar,porque felicidade
Um dia acaba
Ah, eu sempre quis uma amor
que amasse...

Nenhum comentário: